Nosso mundo de hoje

Menos tem que ser mais. Um monte de canapezinhos com gelatina em cima sendo servido por um monte de garçons ou um pratinho único que o convidado vai buscar ele mesmo ali no fogão? Conversar com o garçon ou conversar com o cozinheiro? Qual será o papo mais interessante? Flute de champagne sendo trocada por outra mais geladinha ou uma ida ao bar discutir com o barman o que tem por ali? A gente toma o champagne porque tá ali geladinho, é caro e não nos faz pensar muito no que vamos beber ou porque naquele exato momento só o champagne que combina com aquilo que estamos comendo? Ou conversando? Estamos pensando no que estamos comendo ou estamos simplesmente ingerindo?

Quantas dúvidas, oh céu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.